Buscar
Voltar à home
Ensaios
Rede
Faça parte
Publicações
Loja
Quem somos
Entre em contato
Início
Ver ensaio
A autora

Cinderela

Ana Carolina Fernandes

Cinderela

Cinderela é o resultado de uma convivência íntima, de quase três anos, no ‘Casarão’, onde na época moravam cerca de 25 travestis que se prostituem nas ruas da Lapa, zona tradicional boêmia e de vida noturna efervescente no centro do Rio de Janeiro. A minha premissa básica era a cumplicidade e
confiança mútua com as meninas.
A lacuna da educação ( muitas são expulsas de casa muito cedo ) a vida à margem da sociedade que impõe a esse grupo de pessoas uma total invisibilidade, a própria marginalidade e violência do local e das condições diárias para a sobrevivência, nessa época principalmente, fazia com que a prostituição fosse praticamente a única alternativa de vida.Não busquei um olhar moralista quanto ao apelo do drama social, molduras em que o universo das travestis costuma ser colocado. O meu objetivo não era somente dar voz às travestis mas também e principalmente, dar um corpo, mostrar a beleza, a sensualidade e a dignidade de um corpo ao mesmo tempo feminino e masculino.

Cinderela_01
Cinderela_02
Cinderela_03
Cinderela_04
Cinderela_05
Cinderela_06
Cinderela_07
Cinderela_08
Cinderela_09
Cinderela_10
Cinderela_11
Cinderela_12
Cinderela_13
Just like CInderela, Aline 18 at the time, dreams of prince charming. 

“Mem de Sá, 100”, a photo essay that Ana Carolina Fernandes has developed over the last two years by meeting, on a regular basis, a city center transvestite community, in Rio de Janeiro. This is a significant example of such an original work which was kept away from society’s cliché and limited approach towards this social group.
Cinderela_15
Ana Carolina Fernandes
Ana Carolina Fernandes
Rio de Janeiro – RJ
Fotógrafa
@culafernandes